Ciência: ouvir música beneficia seu cérebro e sua saúde mental e física

July 27, 2018

Há muito tempo se diz que a música é o remédio da mente. E isso me foi comprovado além da sombra da dúvida durante o Festival de Inverno de Campos do Jordão, edição 2018.

 

Ao som da música executada à perfeição pela Orquestra Sinfônica de Campinas, tive uma experiência integrativa, quase mística, que fundiu meu corpo e minha mente ao absoluto momento presente em um sequência ímpar de acontecimentos contínuos que incluiu até o cantar de andorinhas que, a partir de seus ninhos construídos nas vigas que sustentam o teto do renomado Auditório Cláudio Santoro, juntas, fazem verão em pleno inverno no alto da Serra da Mantiqueira. O efeito de relaxamento foi instantâneo e contínuo e a sensação de empoderamento duradoura.

 

Mas como provar os incríveis efeitos que a música traz ao seu bem-estar? Avanços na neurociência e no imageamento cerebral estão revelando o que acontece no cérebro, além disso, recentes pesquisas vindas inclusive do campo da física, da física quântica e até da psicologia estão fechando o cerco e deixando claro que, sim, você tem muito a ganhar se reservar momentos da sua vida para se entregar à melodia de um ou muitos instrumentos, vozes e ritmos.

 

Entre outras coisas, a musicoterapia segue o princípio da cimática, o ramo da ciência que estuda o som através dos padrões e formas que ele produz sobre o meio visível. O termo cimática, que foi criado pelo cientista suíço Hans Jenny, deriva do grego kyma (onda) e kymatika (assuntos referentes a ondas).

 

Som nos cerca constantemente, e sentimos seu efeito na música, no barulho das buzinadas de carros, em palavras, gritos de raiva e até mesmo dentro de nós, nos batimentos do coração.

 

Certas frequências de som têm efeitos reais sobre a saúde e o nosso estado emocional e de espírito.

 

Há uma semelhança entre as imagens cimáticas e as partículas quânticas. Em ambos os casos o que parece ser uma forma sólida é também uma onda, ambos criados e, simultaneamente, organizados pelo princípio de pulso, ou da vibração.

 

Sons e, portanto, música podem levar a um estado de harmonia e bem-estar através do encadeamento ou ressonância das ondas sonoras produzidas com as ondas vibratórias existentes nos átomos e moléculas que entram na composição das nossas células. Nosso corpo é constituído de 70 % de água, um ótimo condutor de som, e a música pode as ondas de vibração que existem em nosso corpo do nível celular ao mental e, assim, da alma.

 

Pesquisas mostram que ouvir música pode reduzir a ansiedade, a depressão, a pressão arterial e a dor, além de melhorar a qualidade do sono, o humor, a memória, aumentar algumas funções cognitivas, melhorar o aprendizado e a concentração e afastar os efeitos do envelhecimento cerebral. A música faz tão bem para o cérebro porque é uma das poucas atividades que estimula todo o cérebro. Porque a música é estrutural, matemática e arquitetônica com base nas relações entre uma nota e a próxima, é um treino cerebral completo.

 

Quando você ouve música, está acontecendo muito mais em seu corpo do que o simples processamento auditivo. Um estudo de imagem recente descobriu que a música ativa as regiões do cérebro auditivo, motor e límbico, independentemente de as pessoas estarem ouvindo Vivaldi ou os Beatles. A pesquisa determinou que as áreas motoras processam o ritmo, as áreas auditivas o som, enquanto as regiões límbicas estão associadas às emoções.

 

Música reduz o estresse e a depressão

 

Uma meta-análise de 400 estudos validou os muitos benefícios para a saúde de ouvir música, incluindo a redução do hormônio do estresse, o cortisol. Em um estudo revisado, pacientes que se submeteram a cirurgias que ouviam música apresentavam menos ansiedade e níveis mais baixos de cortisol do que pessoas que haviam consumido drogas. A análise determinou que a música documentou efeitos positivos na química do cérebro e benefícios de saúde mental e física associados em quatro áreas:

 

Melhorias do humor.

Redução de estresse

Aumento da imunidade.

Ajuda em conexões sociais.

 

Ouvir música aciona o núcleo accumbens do cérebro, responsável por liberar a dopamina neuroquímica do bem-estar, que é parte integrante dos sistemas de recompensa e motivação do prazer e desempenha um papel crítico na aprendizagem. Níveis mais altos de dopamina melhoram a concentração, o humor e a memória. A dopamina é a substância química responsável pelos sensações deliciosos que você tem ao comer chocolate, ter um orgasmo ou atingir a felicidade de um corredor.

 

A ciência mostra que a música pode ajudar a aliviar a depressão e ajudar a pessoa a se sentir mais esperançosa e controlar sua vida. Tocar música com outras pessoas ou curtir música ao vivo faz fluir o hormônio oxitocina do cérebro, aumentando os sentimentos de conexão, confiança e vínculo social.

 

Um estudo demonstrou que ouvir música reduz dor crônica em até 21% e a depressão em até 25%, já outras pesquisas mostraram que a musicoterapia melhorou significativamente sintomas de depressão.

 

Como a música melhora a cognição

 

A música tem o poder de melhorar funções cerebrais superiores específicas e realmente pode tornar você mais inteligente.  Em particular, a ciência mostrou que ouvir música melhora as habilidades de leitura e alfabetização, raciocínio e habilidades matemáticas.

 

Estudos realizados com pessoas que ouvem e tocam muita música - músicos profissionais, os exames cerebrais revelam visivelmente mais simetria, áreas maiores do cérebro responsáveis ​​pelo controle motor, processamento auditivo e coordenação espacial e um corpo caloso mais desenvolvido. O corpo caloso é a faixa de fibras nervosas que liga os dois lados do cérebro entre si, permitindo a comunicação.

 

Aprender a tocar um instrumento musical é uma das melhores coisas que você pode fazer pelo seu cérebro, em qualquer idade. Um estudo mostrou que apenas quatro anos de aulas de música na juventude melhoraram certas funções cerebrais em testes 40 anos depois!

 

No entanto, se você não é músico, apenas ouvir música por diversão também tem efeitos positivos. Idosos que ouvem tipos específicos de música mostraram maior velocidade de processamento e melhoraram a memória episódica. Outros testes revelaram que ouvir música de fundo pode aumentar a produtividade e melhorar o desempenho cognitivo e a criatividade em algumas tarefas, mas, cuidado: o tipo de música e tarefa importam nesse caso. Certas músicas, como melodias populares com letras, exigem que seu cérebro realize múltiplas tarefas e podem interferir no entendimento de leitura e no processamento de informações e devem ser mais utilizadas durante intervalos.

 

Música aumenta a memória

 

Seu cérebro é “programado” para conectar música com memória de longo prazo. Regiões cerebrais específicas ligadas a memórias e emoções autobiográficas e episódicas são ativadas por ouvir música familiar à pessoa. Foi demonstrado que ouvir música melhora significativamente a memória de trabalho em adultos mais velhos.

 

Mesmo para pessoas com Alzheimer ou demência grave, a música pode se penetrar profundamente na lembrança emocional. As músicas favoritas da pessoa geralmente acalmam a atividade cerebral caótica e permitem que ela se concentre no momento presente e reconquiste a conexão com os outros. Pesquisas demonstraram que as pontuações de pacientes de Alzheimer em testes de memória melhoraram depois que eles ouviram música clássica.

 

A ciência também confirmou que é possível usar música para ajudar um cérebro jovem a reter informações e aprimorar o aprendizado.

 

Então, o que está esperando? Crie uma bela “playlist” e entregue-se ao milagre da música.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts em destaque

Conheça a Técnica de Liberdade Emocional (EFT)

August 29, 2018

1/10
Please reload

Posts recentes
Please reload

Arquivo